Seis em cada 10 redes regionais adquiriram soluções de inteligência de dados

Avaliação:

(2 Avaliações)

Reportagem SA Varejo -

O Grupo Vanguarda está entre elas. Saiba o que foi feito pela varejista do Piauí

A compra de softwares associados a informações pode indicar um início de mudança de cultura, especialmente na área comercial. “Os modelos de inteligência contribuem muito para o varejo comprar mais em função dos dados e menos pelo feeling, o que é importante nas relações de consumo, mas não pode ser o principal direcionador”, avalia Paulo Ferezin, da KPMG .

Além disso, quanto mais decisões forem tomadas a partir de informações, menos compras de oportunidade tendem a acontecer. Entre as vantagens disso, está a possibilidade de poder destinar tempo e energia ao desenvolvimento das categorias. Quando isso acontece, ganham tanto o varejo quanto a indústria.

Foto: Divulgação

EXEMPLO PRÁTICO: GRUPO VANGUARDA (PI)
Dono de 24 lojas das bandeiras Carvalho Super e Carvalho Mercadão, a companhia contemplou diversas áreas em seus investimentos de tecnologia, que já vinham acontecendo desde 2019. Com foco importante em competitividade e abastecimento, foram adotadas ferramentas de pesquisa de preço, de pricing, de troca eletrônica de dados/integração com fornecedores e de business intelligence (BI), permitindo o acompanhamento dos principais indicadores e apoio à tomada de decisão em praticamente todas as áreas de negócio da empresa.

3 vezes é quanto o valor aportado em tecnologia pelo grupo vanguarda supera o realizado em 2019

Houve ainda soluções no marketing para a criação de personas, com o objetivo de fidelizar clientes; e em TI, com a migração da estrutura de datacenter para cloud, etc. O grupo também aportou recursos no e-commerce e na instalação de self checkouts nas lojas. Para Givaldo Araújo, diretor de tecnologia da empresa, os avanços conferem maior visibilidade às marcas da companhia e trazem maior reconhecimento pelo consumidor. “A empresa está se diferenciando ao oferecer novas experiências. Os clientes têm percebido isso aos poucos, mas de forma consistente”, acredita o executivo.

ANÁLISE DE DADOS
Não basta apenas ter os dados, é preciso tratá-los e interpretá-los. Segundo Ricardo Skibelski, sócio-consultor da McKinsey , essa análise permite saber o que importa para o consumidor e, portanto, contribui para uma maior assertividade nas compras. Também é possível obter informações mais específicas, além de valores e volume, como custos de transportes e bonificações que ajudam a definir melhor o preço. “Com acesso a dados, as conversas ficam mais técnicas”, reforça o executivo.

 

Leia matérias complementares:

Varejo regional investe mais de R$ 17 bilhões em tecnologia

72% das redes regionais investiram em soluções para e-commerce

Uniforça implanta CRM para conhecer melhor seus clientes

34% dos varejos regionais dedicaram recursos à compra de tecnologias voltadas às lojas

 

Quer ter acesso a mais conteúdo exclusivo da SA Varejo? Então nos siga nas redes sociais:                                                    LinkedIn                                                   ,                                                   Instagram                                                   e                                                   Facebook         

Comentários

Comentar com:
Publicidade
Publicidade

Solução Sortimento

Navegue por todas as seções para obter informações sobre o desenvolvimento de categorias e sobre as marcas e fornecedores mais bem avaliados:

BUSCAR
Publicidade