A cerveja no varejo: a evolução que impulsiona a categoria como um todo.

Avaliação:

(11 Avaliações)

O mercado de cerveja se divide em dois grandes canais de vendas: On Trade, que são os PDVs que possuem a maior parte do consumo local, e o Off Trade, que são os PDVs que possuem a maior parte do consumo fora do local.

O consumo domiciliar impulsiona a categoria no Off Trade, que em 2020 cresceu 4,3% em volume e 12,9% em valor, em relação ao ano anterior. Hoje, o peso do mercado de cerveja no autosserviço é de 58%.

A categoria de cervejas possui mais de 1400 SKUs, o que representa uma quantidade quatro vezes maior que na década passada. Isso trouxe ao mercado mais embalagens, novas marcas e diferentes estilos de cervejas, como resposta natural às necessidades do shopper, para atender suas distintas ocasiões com maior variedade de sabores e produtos à sua escolha.

Cada segmento possui o seu papel relevante dentro da categoria como um todo. O segmento High End, formado pelas cervejas premium e especiais, impulsiona a rentabilização da categoria. Hoje, o Volume High End representa 18% do mercado de cervejas Off Trade.

Já o segmento Core, das cervejas Pilsen e Puro Malte, mantém seu volume e penetração. Core Pilsen representa 58% das cervejas no Off Trade, enquanto Core Puro Malte representa 18% do mercado Off Trade.

Por fim, o segmento Value torna a categoria mais acessível, com impacto na rentabilidade, pois perde espaço na categoria, representando 21,9% do mercado no Off Trade.

Nesse cenário, o equilíbrio entre os segmentos é a chave para o sortimento.